o chefe dos jardins odeia as árvores

A cidade era. velha. Tinha um arcebispo tão velho que parecia embalsamado, uma velha catedral que servia, entre outras coisas, para termo de comparação com a velhice do mundo, um ar parado como se a vida fosse velha também! Mas, lá, nasce e morre gente. Crescem ervas tenras nos interstícios do calcetamento e há flores nos jardins, quando a Primavera chega. Árvores já tem poucas e escanzeladas: o chefe dos jardins odeia as árvores e nesse ódio realiza a sua poda anual. Cada vez menos ramos, menos folhas, menos galhos novos e tenros; os pássaros têm de tentar nova pousada, quando chegarem as noites quentes do Verão. Nos jardins, onde as árvores cada vez mais escasseiam, o chefe dos jardins plantou arbustos, pequenos, atarracados, em feitio de supositórios ou com requebros de saca-rolhas ... Dizem que o referido jardineiro, após esta revelação, pública e notória, usa desta estética porque sofre da tripa: prisão de ventre. E daí ... os supositórios e os saca-rolhas vegetais ... A cidade é velha e por isso tem dentro de si a sabedoria das coisas velhas, o interesse daqueles trastes que passando de mão em mão ganharam um perfume pessoal, atingiram o direito de ter uma biografia, tecida das biografias individuais.

in "Roxo Rei e Outras Estorias", 1973

Amândio César, (1921 - 1987)

 

 

© 2004 Árvores e Arbustos de Portugal  - Todos os direitos reservados.