puces_rond011.gif As autoridades locais começam a tomar consciência da necessidade em proteger não só, monumentos, espaços e paisagens, animais, mas também plantas cujo interesse suscita regulamentos com o objectivo de preservar certas espécies arborícolas nomeadamente nos espaços públicos. Como é o caso da Câmara municipal de Oeiras nos arredores de Lisboa. Vejam a "alínea g do artigo 6":

"E D I T A L - Nº. 296/2002

TERESA MARIA DA SILVA PAIS ZAMBUJO, PRESIDENTE, EM EXERCÍCIO, DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS

FAZ PÚBLICO que, a Assembleia Municipal de Oeiras, em sessão ordinária realizada em 26 de Fevereiro de 2002, aprovou, mediante proposta desta Câmara Municipal, tomada em reunião ordinária, realizada em 14 de Novembro de 2001, o Regulamento dos Espaços Verdes Municipais...

(...) ARTIGO 6º
Espécies protegidas: Além das
árvoress classificadas pelo Instituto Florestal, são consideradas de interesse municipal e sujeitas a regime especial de protecção as seguintes espécies::

    1. Palmeiras, independentemente da sua espécie;
    2. Pinheiros mansos (Pinus pinea);
    3. Oliveiras e Zambujeiros (Olea europaea);
    4. Carvalhos e Sobreiros (Quercus sp.);
    5. Amoreiras(Morus sp.);
    6. Dragoeiros(Dracaena draco);
    7. Azevinho(Ilex aquifolium,L. (...)

Oeiras, 07 de Maio de 2002"